Buscar
  • Wilson Silva

Que tal um CHA de inovação?

Seria fácil se na prática as organizações ou profissionais pudessem tomar “um chá” e pronto: virassem inovadores!

Na realidade, quis fazer uma brincadeira com a tradução real desta sigla CHA que significa:

Conhecimento, Habilidade e Atitude.

Sem esses 3 ingredientes é impossível ter uma cultura inovadora, seja ela, pessoal, profissional ou empresarial. Ao final, o resultado desta somatória será a competência INOVAÇÃO. Sim, hoje, esse skill é visto como competência. Mas como inovar na prática?

Esta é a questão chave e confesso que é um assunto que, se deixar, vou escrever horas sobre isso... Na verdade, segundo autores como: Teresa Amabile e Gary Pisano, esta competência depende de diversos fatores e aqui coloco uma opinião pessoal sobre o tema.

Do ponto de vista individual:


üConhecimento – pensar de forma criativa, estar aberto a isso;

Habilidade – expertise sobre o assunto ou ação em foco;

Atitude – colocar em prática os dois primeiros itens, envolvendo a motivação intrínseca ou extrínseca de cada um. A primeira motivação é a que vem dentro do indivíduo, sem estímulo externo, e a segunda é exatamente aquela que nasce com fator motivador externo.


Do ponto de vista empresarial:

As organizações devem ter e favorecer uma cultura inovadora e isso vai propiciar o desenvolvimento de novas ideias, além de motivar os talentos a buscarem mais conhecimentos e possibilidades para aquele segmento ou contexto. Os valores também contribuem diretamente, pois refletem na cultura e por sua vez, no clima.

Parece complexo, mas é mais simples do que se imagina.

Além disso, o líder tem papel direto no desenvolvimento desta cultura, principalmente com a formação de equipes competentes e produtivas, voltadas para inovação, abertas às mudanças e tecnicamente preparadas.

Por sua vez, as equipes devem ter o self management ou auto-gestão, que está diretamente ligado à proatividade, à busca por resultados e visão 360.

Por outro lado, as organizações devem estar abertas à evolução contínua, estarem atentas ao mercado e dedicarem horas desenvolvendo suas equipes, ao planejamento empresarial, tendo um excelente processo de recrutamento e clareza nas diretrizes internas e com os stakeholders. O resultado de tudo isso vai ser uma cultura inovadora e com maior retenção dos talentos.

Individualmente, cada profissional deve ter sempre uma análise do seu produto:

Estou qualificado?

Quantas horas me dedico buscando novos conhecimentos?

Quais são os meus pontos de melhoria?

E isso deve ser feito constantemente, de forma humilde, aberta e procurando sempre ter uma visão interna e externa sobre cada tema.

Sem dúvida, este artigo não é a receita para a inovação, mas apenas uma análise que espero contribuir para o sucesso de muitos profissionais e empresas.

Wilson Silva


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo