Buscar
  • Wilson Silva

As viagens vão ou não retomar em 2020?

Vejo vários empresários se questionando sobre o retorno das vendas no segmento do turismo (o mais afetado pela pandemia do Covid 19), e a maioria encontra-se com opiniões diferentes sobre o tema.

Isso se deve às incertezas em relação à economia, aumento do número de casos, opinião dos consumidores e ,somando a tudo isso, temos uma retração nos investimentos do setor.

Mas, e aí, vai ou não voltar em 2020?

Nas pesquisas que tenho em acompanhado, a intenção dos brasileiros tem sido otimista em relação a fazer uma viagem, mas especificamente no segmento do lazer.

Já no corporativo, muitas empresas reduziram seus budgets devido ao duty of care (cuidados com o viajante em políticas de viagens). E muitas companhias continuaram suas rotinas, mesmo à distância.

As plataformas de tecnologia para reuniões virtuais tem dominado o mercado, algo que não era tão comum, hoje virou item básico em todas as empresas.

Dado o cenário atual, as previsões são de possível melhoria, mas para viagens realmente “necessárias”. Sim, muitas empresas seguirão o ritmo de redução de custos, o que é normal, ainda mais depois dessa fase em que estamos vivendo. E claro, preservando sempre a segurança dos seus colaboradores.

Muitas operadoras já tem começado se reinventarem e partirem com tudo rumo à elaboração de pacotes e experiencias nacionais atrativas, principalmente devido ao cambio elevado e poucas opções de voos internacionais (por enquanto).

O lazer, com certeza deverá ser o motor propulsor dessa retomada e para isso, aqui vão algumas dicas:

  • Hoteleiros – Protocolos de segurança claros e realmente cumpridos serão essenciais para qualquer marca. Vamos pensar no todo, em promoções, em mostrar ao brasileiro que o nosso país tem sim, lugares atrativos e acabar com essa fama que muitos dizem por aí – “viajo pra fora porque sai mais barato que as diárias medias do Brasil”. Agora temos uma grande oportunidade em mãos! Não podemos perde-la!

  • Agências – Protocolos de segurança também serão essenciais. Mais do que nunca o foco deverá ser no cliente e nas tendências de mercado – palavra de ordem – INOVAÇÃO! Não desanimem, aqui prevalece aquela máxima: enquanto uns choram, outros vendem lenços.

As aéreas estão se readequando para sobreviverem à esta fase, assim como todas as áreas do segmento do turismo. E já temos até aumento de malhas 😊

As viagens internacionais também irão acontecer, já existem varias promoções atrativas e que estão fazendo o brasileiro começar a pensar no próximo destino. Nesse item dependemos do Brasil sair da lista de países com restrição devido à pandemia... para isso, precisamos de políticas públicas e conscientização social para que isso passe logo.

Não sou de escrever mais do mesmo, procuro ser direto ao ponto e acho que no nosso setor precisamos agora de objetividade, de seriedade e comprometimento com o mercado, com nossos agentes, travel managers, operadores e todos os núcleos envolvidos.

Mais que um discurso sobre ações de cada empresa, que tal praticar e demonstrar isso em números, fatos e ações? Daqui pra frente o mercado irá exigir cada vez mais transparência e inovação.

Acho que a máxima da vez é objetividade, foco no cliente, no resultado, na inovação, seriedade e controle de custos. O nosso mercado não permitirá mais amadorismos, em todos os sentidos!

Abraços,

Wilson Silva


10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo